10.12.10

Poema novo, 16 anos depois

Vendetta

Suas belas pernas, devidamente cortadas em 72 pedaços,
serão arremessadas aos peixes do jardim japonês.

Eu não terei o que ver com o assunto,
a não ser a preocupação com a saúde dos anfíbios
que talvez disputem os nacos.

Bem... de certa forma há sim uma mentira aí porque antes disso tudo, antes que nada me ligue ao caso e aos peixes e tal, terei escrito palavras ou representações aleatórias de sons nos 72 cortes-decomposição de teus membros inferiores.

Sem ter a menor noção das coisas, mas agora de verdade mesmo, os peixes, ao comer os tecos, hão de compor um poema dadaísta com estes pedaços teus.

Tuas belas pernas serão versos desconexos na boca de salmões, tainhas e pintados. Não, não: não faço a menor idéia de quais peixes habitam normalmente um jardim japonês. Mas eu não preciso saber já que nada tenho com isso.

A minha única e elevada preocupação - além daquela dos anfíbios - é querer que suas pernas se transformem em um poema dadaísta, com um certo acento italiano se possível, e que depois acabem como coco de peixe.

Ho di niente te contro non Io.

2 comentários:

Anônimo disse...

ácido...

guisalla disse...

Bravo, Jack!